2014 – 9º Abel Magalhães – 1º volume – A ditadura envergonhada

0
675

1º volume – A ditadura envergonhada

Autor: Elio Gaspari

464 páginas

O livro engloba os governos de Castello Branco e Costa e Silva. Diante da anarquia reinante no país, com o desgoverno de João Goulart, a crise tomava conta de tudo. Havia a iminência de o comunismo tomar conta do país. As Forças Armadas sentiram a necessidade imperiosa de tomar uma providência. Com a liderança de alguns generais do Exército aconteceu o inevitável. No dia 31/03/1964, as Forças Armadas assumiram o poder e destituíram o presidente da República, que pegou um avião e foi do Rio de Janeiro para Brasília, de onde seguiu para o Rio Grande do Sul e daí para o Uruguai. Os militares assumiram o governo com o objetivo de pôr ordem na bagunça, tendo como primeiro presidente o Marechal Carlos Castello Branco, que em princípio determinou três meses para a volta a normalidade, mas não conseguiu. Prorrogou o projeto para mais um ano e daí para quatro, sendo obrigado a passar o governo para o seu sucessor Costa e Silva. A ditadura estava envergonhada porque estava escancarada. E os maus resultados tiveram início, com consequências inimagináveis. Como diz o resumo fornecido pela editora, o jornalista Elio Gaspari “reuniu documentos durante os últimos trinta anos, inclusive inéditos e fez uma exaustiva pesquisa sobre o governo militar no Brasil, cujo resultado gerou um conjunto de quatro volumes que compõem a obra mais importante sobre a história recente do país”. Quem se debruçar sobre o conteúdo vai ficar sabendo de tudo que aconteceu nas três décadas abrangidas e ficará revoltado com inúmeros atos terríveis que aconteceram por quem tinha a obrigação de prestar um grande serviço à nação e cujo resultado parece que não foi bem assim.

COLEÇÃO DITADURA

Elio Gaspari

“Durante os últimos trinta anos, o jornalista Elio Gaspari reuniu documentos até então inéditos e fez uma exaustiva pesquisa sobre o governo militar no Brasil. O resultado desse meticuloso trabalho gerou um conjunto de quatro volumes que compõem a obra mais importante sobre a história recente do país, e que acaba de ganhar uma edição revista e ampliada, enriquecida com novas fotos e projeto gráfico.

A obra está dividida em dois conjuntos: As ilusões armadas e O sacerdote e o feiticeiro. Publicada originalmente em 2002, As ilusões armadas reúne os livros A ditadura envergonhada e A ditadura escancarada, e recebeu o prêmio de Ensaio, Crítica e História Literária de 2003, concedido pela Academia Brasileira de Letras. Nos primeiros anos após o golpe de 1964, o governo militar ainda relutava em se assumir como uma ditadura, daí o título A ditadura envergonhada. Mas com a edição do AI-5, no final de 1968, que suspendeu direitos constitucionais, ela se revela. Em A ditadura escancarada, são reconstituídos os momentos mais tenebrosos do regime, como a prática da tortura contra os opositores do regime e a violência empregada contra os guerrilheiros do Araguaia, um dos últimos núcleos de resistência política.

Os personagens centrais de O sacerdote e o feiticeiro são respectivamente os generais Ernesto Geisel e Golbery do Couto e Silva. A ditadura derrotada detalha os antecedentes desses dois importantes personagens, concentrando-se na articulação que os levou ao poder e também na vitória do partido de oposição nas eleições de 1974. A ditadura encurralada, quarto volume, culmina com a exoneração do general Sylvio Frota do cargo de ministro do Exército. Naquele momento, o presidente Ernesto Geisel punha um ponto final na anarquia militar que tomava conta do país. Desse relato fazem parte episódios como o assassinato do jornalista paulista Vladimir Herzog em outubro de 1975, nas dependências de uma unidade do Exército, fato que contribuiu para azedar a relação entre a Presidência e setores das Forças Armadas” – Registro da editora.

Maceió, julho de 2014.

Abel de Oliveira Magalhães.

 

 

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

*