2013 – 11º Abel Magalhães – A Privataria Tucana.

0
29313

A Privataria Tucana.

Autor: Amaury Ribeiro Jr.

O editor informa que nos seus 20 anos de polêmica existência, a Geração Editorial publicou muitos livros impactantes – nenhum como este do Amaury Jr. Sua característica, segundo o mesmo, é publicar obras sem temor e sem censura, tudo o que considera útil e necessário para entender o Brasil e sua história. E cita como exemplos: Fernando Collor, Antônio Carlos Magalhães, Paulo Maluf, a família Sarney, o caso do mensalão e tantos outros. O livro do Amauri se propõe devassar os subterrâneos da privatização realizada no Brasil sob o governo de Fernando Henrique Cardoso. Para escrever o livro, o autor investigou durante dez anos e “não se limita a resgatar a selvageria neoliberal dos anos 1990, que dizimou o patrimônio público nacional, deixando o país mais pobre e os ricos mais ricos”. Acrescenta, ele: “Se fosse apenas isso, o livro já se justificaria, mas vai além, persegue a conexão entre a onda privatizante e a abertura de contas sigilosas e de empresas de fachada nos paraísos fiscais do Caribe, onde se lava mais branco o dinheiro da corrupção”. Neste aspecto, de fato, o livro é muito bom. Ele oferece uma série de macetes de como a turma se aproveita para enganar e enriquecer da maneira mais fácil possível. Como nada é perfeito, o autor peca pela admiração que tem pelo PT e seus seguidores, principalmente nos últimos dez anos. Fala das mazelas das privatizações mas esquece de realçar as vantagens e o resultado positivo da iniciativa. Por exemplo: a privatização da Vale do Rio Doce trouxe resultado três vezes melhor do que quando era estatal. No gênero, ela tinha resultado positivo de R$ 25 bilhões. Ao ser privatizada, triplicou o seu resultado em seis meses. Por que? É que as estatais, apesar de serem indispensáveis em alguns aspectos, servem também para se transformar em cabide de emprego, onde as administrações públicas, via de regra, se penduram e prejudicam a essência do empreendimento. Tirante isto, o livro do sr. Amaury é muito bom. Oferece um aprendizado de valor incalculável e o leitor termina a obra com o seu conhecimento bastante melhorado, inclusive mais preparado para não se deixar enganar pelas publicidades enganosas que todos os governantes costumam fazer. Pena que o segmento que acessa essas informações e consegue dominar o seu conhecimento é muito pequeno em relação ao universo da maioria absoluta dos habitantes do país. Essa maioria se acomoda e se transforma simplesmente em massa de manobra, cujo direito de votar o faz joguete a serviço da categoria que manda no país e deixa de cumprir a sua verdadeira obrigação. É revoltante tomar conhecimento de tudo isto, mas não existe outra saída. Pior é ser ignorante, ter preguiça de ler e deixar de dar a sua contribuição para o bem de todos. Temos que nos educar ao máximo; fazer com que nossos filhos estudem, tenham consciência do seu valor e se libertem da verdadeira escravidão que domina o país, que é a ignorância, o analfabetismo, o desconhecimento, cujo resultado final é a cegueira a serviço da corrupção. Os méritos do livro são infinitamente maiores do que as suas eventuais falhas cometidas. Não ler a obra porque se trata de um autor vocacionado para o status quo político é um mau exemplo. De parabéns o autor Amauri, que se tornou para mim uma grata revelação. Desconhecia esse lado competente dele. Por isso o meu aplauso.

Maceió, 05/08/2013

 

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

*