2012 – 13º Abel Magalhães – Ascensão e Queda do Comunismo

0
430

Ascensão e Queda do Comunismo

Autor: Archie Brown

Quantidade de páginas: 716

“Relato histórico e análise política de alta qualidade” – Kirkus Reviews

Conforme diz o autor da frase em destaque, trata-se de um relato abrangente sobre o tema com uma abordagem política da melhor qualidade. O autor do livro, Archie Brown, pesquisou 45 anos de estudos sobre o Comunismo. Para escrevê-lo, cercado de uma grande equipe de assessores, demorou mais de dois anos, o que demonstra tratar-se de uma obra robusta e de grande fôlego. Para se ler um livro dessa magnitude o leitor tem que ter tempo, hábito de leitura, dedicação e seriedade. (Gastei dois meses) Fica-se a imaginar a luta do autor para construir a sua obra. O resultado é um show de conhecimento sobre o tema abordado.

Como diz a orelha do livro, “a implacável ascensão do comunismo foi o fenômeno político mais importante da primeira metade do século XX”. O autor desce às raízes no século XIX e mostra o movimento político descrito por Karl Marx “como um espectro assombrando a Europa, sua expansão pelo mundo e como os preceitos dessa doutrina revolucionária se tornaram uma realidade para milhões de pessoas comuns”. Mesmo com o descrédito do comunismo no Ocidente, cerca de um quinto da humanidade (na Ásia e na América Latina) ainda vive sob o seu domínio. O autor “explora a atração do comunismo sobre seus partidários, seus sucessos retumbantes e seus fracassos catastróficos”. O comunismo se tornou uma realidade viva, não apenas na Europa, mas para centenas de milhões de pessoas espalhadas pelo planeta, em lugares bem diferentes de onde Marx esperava ocorrência de revoluções proletárias. O comunismo destacou-se em duas sociedades predominantemente camponesas – a Rússia imperial, que se tornou União Soviética e a nação mais populosa do mundo, a China. O comunismo se espalhou e variou ao longo do tempo e do espaço, chegando à Europa, onde deixou marcas profundas. Karl Marx acreditava sinceramente que o comunismo transformaria o bem-estar e o desenvolvimento humano; que as pessoas viveriam mais livremente do que jamais haviam vivido. Os partidos comunistas não chamavam seus sistemas de “Comunistas”, mas sim de “socialistas”. Comunismo seria um estágio posterior do desenvolvimento da sociedade.

Marx e Lenin foram decisivamente os mais importantes teóricos do Comunismo. Além deles houve a participação decisiva do conhecido Friedrich Engels que , em conjunto não tinham qualquer indício da maneira como o Comunismo decolaria no século XX. Daí vieram inúmeros outros seguidores que deram tudo para o progresso do segmento, Leonid Bresnev, Yeltsin e tantos outros. É importante lembrar o preço desses líderes para implantar a qualquer custo a teoria do Comunismo. Milhares e milhares de pessoas foram executadas devido ao espírito dominador dos líderes comunistas. Marx defendia uma teoria de socialismo científico, mas muitas de sua formulações, apesar do que ele sugeria, não tinham nada de científicas. A ascensão do Comunismo, mais ainda do que a ascensão do fascismo, foi o fenômeno político mais importante da primeira metade do século XX.

O Comunismo tinha como objeto uma alternativa ao Capitalismo, que considerava um fracasso. Mas isso se revelou uma ilusão perigosa. O que se construiu foi um partido-Estado, onde reinava a opressão e o autoritarismo, implacavelmente totalitário. O Comunismo grassou por toda parte, principalmente na União Soviética, China e na Europa. Mas a sua essência não se ajustou à sua filosofia. O escritor americano Howard Fast entrou no partido com a crença de que o destino era “a fraternidade total do homem, uma unidade mundial de amor e criatividade em que a vida não era desperdiçada nem desprezada”. A gota d’água para ele abandonar o barco foi o que diplomatas comunistas do Leste Europeu lhe disseram sobre as perseguições e expurgos antissemitas ocorridas sob regimes comunistas em seus países”. O comunismo cresceu além de suas expectativas, mas caiu e teve os seus objetivos frustrados, porque não se vive de ilusão. Quando surgiu no cenário soviético um cidadão de nome Mikhail Gorbachev, a situação começou a mudar. Como suas ideias não foram bem aceitas, o figurino mudou e a realidade se transformou. Gorbachev passou a crer que o tipo de ordem que existia nas democracias da Europa Ocidental era qualitativamente superior ao que era imposto pela KGB na União Soviética, o que era chamado de “socialismo”, que era uma perversão dos ideais socialistas. Desta forma, como caminho alternativo para organizar a sociedade humana, o comunismo revelou-se um fracasso medonho.

Frases sobre o livro:

“Uma narrativa esplêndida que pode nos dizer muito sobre o futuro” – Times Literary Supplement

“Uma história ambiciosa, abrangente e equilibrada em sua análise das forças e fraquezas do comunismo” – Sir Rodric Braithwaite, embaixador britânico em Moscou.

“Um livro insuperável” – The Economist

“Tudo o que você sempre quis saber sobre a história do comunismo, mas tinha medo de perguntar – em um único volume imensamente informativo e fácil de ler” – Bridget Kendall – Correspondente diplomático da BBC em Moscou.

 

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

*