Relatório do Conselho de Administração referente ao Exercício de 2003

0
29484

Relatório do Conselho de Administração referente ao Exercício de 2003

 

No dia 26 de janeiro de 2003, foi eleito o novo Conselho Deliberativo do FAM, cujo presidente foi o sr. Williams Leite Magalhães e secretário o sr. Abel de Oliveira Magalhães. A nova diretoria ficou assim constituída: Presidente – Cláudio de Oliveira Magalhães; Secretário – Abel de Oliveira Magalhães; Diretor Tesoureiro – Ivany de Oliveira Magalhães; Diretor Social – Antônio de Oliveira Magalhães; Diretor Cultural – Wirley Carles Leite Magalhães; Diretor de Esportes e Lazer – José Adilson de Magalhães e Diretor de Patrimônio – Miguel de Oliveira Magalhães. Para o Conselho Fiscal foram eleitos os seguintes associados: Efetivos – Cláudio de Oliveira Magalhães Júnior; Maria de Lourdes Magalhães Leite e Maria Elizabete Magalhães Souza. Suplentes: Miguel de Oliveira Magalhães Júnior; Wigberto Leite Magalhães e Williams Leite Magalhães. A Assembléia Geral foi presidida pelo associado José de Oliveira Magalhães.

 

Realizações da diretoria

Primeiros acontecimentos

A primeira reunião aconteceu no dia 09 de fevereiro. Detalhe: Ela foi realizada em Maceió, inclusive com a presença do associado José Magalhães e os familiares da esposa do Márcio Rogério. Teve como destaque a prestação de contas do passeio anual, elaborada pelo ex-diretor social, associado Marcos César, com o seguinte resultado: Despesa total R$ 4.478,00; Recebido/a receber: R$ 4.260,00. Resultado operacional – déficit de R$ 218,00. O presidente Cláudio destacou que o resultado operacional foi altamente positivo tendo em vista o aspecto unificador da família. Na oportunidade, Suely incentivou o pessoal de Arapiraca a prestigiar as reuniões de Maceió, uma vez que todas as vezes que o encontro era em Arapiraca, os da capital sempre prestigiavam e que a recíproca deveria ser verdadeira. Um ponto destacado foi o batizado do Matheus, cujo evento foi prestigiado por todos os familiares em Maceió, principalmente o Presidente de Honra do FAM, associado José Magalhães. Márcio Rogério, pai do Matheus, emocionado, agradeceu a presença dos familiares de sua esposa ao evento, razão de muito orgulho para ele e os que faziam o FAM. Abel, atendendo a convite do presidente da reunião, fez uma homenagem ao Presidente de Honra do FAM, associado José Magalhães, realçando o seu valor como irmão e peça fundamental para a existência da associação familiar. Fernando aparteou para enaltecer as qualidades do homenageado, realçando o seu lado humano e dizendo que muitas vezes ele superava o racional em detrimento da própria saúde. Fez ver a necessidade de mudança de estilo para quebrar os paradigmas existentes. Em resposta, José Magalhães realçou as emoções propiciadas pelos seus irmãos e vividas intensamente quando vem a Alagoas todos os anos. Lembrou o carinho dispensado a ele pela Ivany que procura substituir a sua genitora em todos os aspectos. Dentre as pessoas presentes à reunião, o Sr. Aloísio, pai de Albenise, esposa do associado Márcio Rogério, afirmou do alto de sua simplicidade a sua satisfação em conhecer a família Magalhães.

Em março, Bernadete, ao fazer a oração habitual de abertura da reunião, emocionada, agradeceu a Deus pelo resultado dos exames de saúde do presidente de honra do FAM, José Magalhães, que tinha passado por uma bateria de exames para diagnosticar um mal que o afligia, cujos resultados foram muito bons, temática seguida por todos que usaram da palavra na oportunidade. O novo diretor social, Antônio Magalhães, iniciou o seu trabalho pedindo a colaboração dos ex-diretores Marcos César e Cláudio Jr, pela experiência adquirida e o dinamismo próprio da juventude. Na seqüência, apresentou a sua agenda de trabalho recheada de atrações, elaborada em parceria com o presidente e as demais pessoas do segmento. Em plenário, obteve o aprimoramento dos presentes e pediu a contribuição de todos visando ao fim proposto. O presidente agradeceu o empenho do diretor. Adilson falou da sua alegria pela aprovação de sua filha Adriana no vestibular da UFAL; parabenizou Magal e Flávia por terem conseguido aprovação idêntica; Marcos César realçou o esforço do novo diretor social e suas assessorias; o empenho da nova diretoria, dizendo que “fazer parte da diretoria do FAM é um verdadeiro curso de oratória”, haja vista a evolução que estava acontecendo no gênero; lembrou a necessidade de se prestigiar os associados, estimulando-os a comparecerem aos eventos; lembrou a atuação do Conselho Fiscal que estava digna de elogios; na seqüência, todos se congratularam com os aprovados em vestibular.

 

Em abril a reunião aconteceu na chácara dos associados Raniery/Magal e iniciou às 11:20h, com Bernadete fazendo a oração habitual de abertura. Emocionada, lembrou que, se vivo fosse, papai estaria completando 91 anos no dia seguinte e agradeceu a Deus por tudo de bom que a família estava vivendo. Invocou o espírito vivificador de dona Olívia e comandou a oração do Pai Nosso e Ave Maria em respeito à sua memória, pedindo que ela continuasse a interceder pelo bem de todos. Na oportunidade, a tesoureira mencionou matéria publicada no NF sobre inadimplência e pediu que os associados inseridos no contexto colaborassem no sentido de regularizar a sua situação. Acrescentou que o reflexo da matéria estava sendo bastante positivo e agradeceu a compreensão de todos. O diretor social submeteu ao plenário a programação social do mês. A assembléia não aprovou as atividades previstas. A programação do mês de maio foi homologada. Miguel Jr invocou maior participação dos associados para melhorar as atuações, e obteve autorização para a ONG “Candeeiro Aceso” se apresentar na sede do FAM. Adilson agradeceu as palavras do associado José Magalhães no NF sobre o vestibular de sua filha e anunciou que, no fim do ano, a filha Paulinha estaria se formando.

 

Em maio a reunião teve como razão maior homenagear as mães no seu dia. Ela aconteceu no sábado à noite, para resguardar a possibilidade de todos poderem almoçar com suas mães no dia seguinte. A tesoureira mencionou que houve um atendimento muito bom em relação à matéria sobre inadimplência publicada na edição 81 do NF. Disse que a situação deveria ser normalizada em pouco tempo. Juntamente com o presidente, agradeceu o carinho da compreensão. Antônio Magalhães, diretor social, investiu maciço na homenagem às mães, principalmente as do FAM. Além do belíssimo arranjo que ornamentou a mesa, contratou música ao vivo com o conhecido cantor Ary, que abrilhantou a noite. Disse que contou com a ajuda do Cláudio Júnior e do Presidente Cláudio, a quem muito agradeceu. O presidente Albério, da ONG Candeeiro Aceso, fez uma palestra sobre Cidadania na sede do FAM. Disse como nasceu a organização e mostrou os caminhos para se buscar ajuda junto aos poderes constituídos. Citou vários exemplos. Disse que a ONG nascera há cerca de dois anos e tinha 14 associados. Fernando, alegre, analisou a palestra do presidente da ONG. Disse que ele tinha ajustado o foco do FAM com fulcro na 2ª geração. Ali estava o que ele sempre defendeu. Wirley Carles anunciou momento musical com seus filhos André/Erick, e o amigo Clayton que cantaram as músicas “Amigos pela fé” e “Mãe”, em homenagem às mães, cujo resultado foi a participação da platéia ao ocorrido. Cláudio distribuiu rosas vermelhas do arranjo que enfeitava a mesa com as mães presentes. O registro se constituiu num quadro de grande valor.

 

Em junho a reunião teve como atração principal o sr. Ronaldo Oliveira, dedicado à literatura de cordel, autor de três livros, cuja conquista maior foi a sua apresentação no programa Jô Onze e Meia. A tesoureira disse que alguns associados estavam esquecendo de honrar as suas obrigações para com o FAM. “Estamos em junho e uma quantidade considerável de associados ainda não pagou nenhuma mensalidade; que todo mundo tinha gostado do passeio anual, mas alguns estavam esquecendo de devolver o dinheiro”. Lembrou que o FAM só podia ser forte se todos honrassem as suas obrigações. O diretor social disse que o FAM ia ter o melhor São João de todos os tempos. Anunciou que já tinha contratado o músico Miguel Vieira, um dos melhores do Nordeste. Adilson tinha conseguido o local para a festa junina do FAM. Antônio continuou falando sobre as atrações da festa. Disse que haveria sorteio de brindes e balaio. Marquinhos incentivou o pessoal a participar da festa do São João; fez destaque ao NF; convocou a 2ª geração e sócios em geral a se engajarem na sua trajetória rumo à próxima gestão. Marcinho parabenizou o associado Antônio pela chegada de sua primeira neta, Ingrid, filha do Wagner e fez a entrega de um vídeo especial sobre o passeio do FAM efetuado em janeiro passado. A fita foi editada pelo próprio e encimada com uma foto de toda a família. Detalhe: ele não participou do passeio, a filmagem foi feita por Miguel Jr, a filmadora era do Edson Souza e a foto foi conseguida pelo associado Abel. Sinalizou o valor da parceria. Na ocasião ficou decidido que Abel fizesse uma cópia para o associado José Magalhães.

 

Em julho, o destaque ficou por conta do Diretor Social, sr. Antônio Magalhães, que apresentou relatório da festa junina. O evento deixou um resultado financeiro positivo de R$ 17,00. As comidas típicas, tira-gostos, prêmios sorteados, carroças decoradas do desfile, fogos, fogueira, bebidas etc foram custeados pelos associados. Antônio Magalhães lembrou que a próxima reunião seria em homenagem aos pais e que deveria haver apresentação de uma banda de música tocando uma peça em homenagem aos pais. Ficou decidido que a reunião deveria ser no sábado, 9 de agosto, à noite, seguindo o mesmo critério utilizado no dia das mães. Anunciou que já estava organizando o próximo passeio; que a idéia era superar o anterior e que já existia um local em observação. O entusiasmo era palpável. Ficou todo mundo ouriçado. O diretor cultural, sr. Wirley Carles, fez a entrega de uma valiosa ferramenta de trabalho para o FAM, a tão esperada e desejada tribuna. Falou sobre a sua confecção e valor. Fez a apresentação de seu convidado, sr. Carlindo de Lira Pereira, convidando-o para inaugurar a tribuna e falar sobre o tema “Oratória”. O palestrante disse que estava muito emocionado por estar em família. Apresentou o Informativo da ACALA – Academia Arapiraquense de Letras e Artes – da qual era membro, com enfoque para os 10 livros lançados nos últimos dois anos, gestão do Dr. Judá Fernandes de Lima, inclusive o dele (palestrante) intitulado Prelúdios Poéticos. Fez a apresentação do módulo Dinâmica de Grupo envolvendo todos os membros da assembléia, com destaque para as palavras de ordem ‘paz’, ‘amor’, ‘garra’, ‘sorriso’ e ‘bem-vindos’. O resultado foi surpreendente. Fez abordagem sobre o poder da palavra, curso de oratória e explicou a origem da palavra tribuna, que vem de tribuno, inspirada em Cícero, o grande tribuno romano (106-43 a.C.). Abel se entusiasmou e estreou a tribuna realçando o valor dos ensinamentos ministrados e declamou o poema Ação de Graças em complemento ao poder da palavra que, dependendo do seu uso, poderia representar o bem ou o mal. Falaram sobre o tema, Cláudio Jr, Lourdinha, que perguntou se todas as pessoas tinham condição de desenvolver a oratória; Wirley, que pediu para o palestrante falar sobre Cícero, e Antônio, que perguntou como evitar o nervosismo no momento da oratória. A todos, Carlindo respondeu com maestria, dizendo que todo mundo sente o tal nervosismo, inclusive os apresentadores de televisão e ensinou sinais e gestos valiosos para contornar a adversidade. Encerrou dizendo que pessoas são um presente; e que todos ali se sentissem presenteados. Foi bastante aplaudido. Adilson falou sobre a alegria reinante no salão de jogos do FAM, onde as crianças estavam se divertindo numa mesa de pingue-pongue doada por ele. Marcos César associou a palavra saudade à associada Lourdinha, referindo-se à sua ausência quando esteve em Brasília durante três meses; parabenizou Wirley pela confecção da tribuna para o FAM; disse do seu entusiasmo pela grande possibilidade de a 2ª geração assumir os destinos do FAM no ano seguinte e que já contava com a adesão de uma pessoa da sua geração à sua causa e esperava que essa adesão se multiplicasse; que o seu grande objetivo à frente da próxima diretoria era promover “entretenimento e crescimento” do FAM. Foi aplaudido pela assembléia. Wirley destacou para o Carlindo os objetivos do FAM. Falou sobre a confecção da tribuna, cuja despesa foi transformada em pagamento de sua conta junto à tesouraria do FAM. O seu gesto foi recebido com nobreza.

 

Em agosto foi observado que, pelo segundo mês consecutivo, o Conselho Fiscal deixou de cumprir a sua missão; O diretor social, que tinha prometido uma apresentação de uma banda de música para homenagear os pais no seu dia, informou que não foi possível a sua realização por causa da antecipação da reunião, de domingo para sábado, gerando problema de agenda. Pediu desculpas e disse que haveria novidade a ser anunciada pelo presidente. Wirley Carles apresentou uma bela encadernação dos doze exemplares do NF referentes ao ano de 2002. (Nesse momento, houve apresentação de uma homenagem providenciada pelo departamento social num carro de som em regozijo aos pais. O fato gerou muita emoção pelas mensagens veiculadas e o pipocar de fogos, atraindo a atenção dos habitantes do bairro. Toda a platéia se firmou na frente do Velho Casarão e se irmanou com mais essa maravilhosa iniciativa ensejada pelo FAM e produto da rica imaginação da associada Roseli Tavares. Em seguida, todos voltaram para o interior da sede do FAM, onde continuaram as apresentações). Wirley Carles convocou o seu convidado especial, Sr. José de Arimatéia, Coordenador da Pastoral da família da Paróquia de São José, para dar aulas de relacionamento conjugal à luz do evangelho, com ênfase sobre os pais. Falou sobre a educação dos filhos. Margaret Jane deu testemunho eloqüente do bom caráter de um filho do conferencista, lembrando que tinha sido sua professora e discorreu sobre suas virtudes. O conferencista conseguiu sensibilizar a todos com os seus ensinamentos na área do relacionamento conjugal, apoiado na vasta experiência adquirida nos Encontros de Casais promovidos pela Igreja. Wirley Carles agradeceu ao conferencista e o presenteou com um relógio de parede com a imagem de Cristo. Sua apresentação foi bastante aplaudida. Edson Souza, entre outras coisas, disse que aquele era um momento ímpar e de muita emoção. Lembrou carinhosamente a sua relação com a sogra, d. Olívia, e seus ensinamentos. Sobre a esposa, Betinha, sentenciou: “Se antes eu a amava, agora a amo muito mais”. Foi aplaudido. Leu uma mensagem dedicada aos filhos e anunciou que tinha parado de fumar. Abel disse que ficou encantado pelas surpresas acontecidas na reunião. Parabenizou a diretoria pelo ocorrido. Antônio demonstrou a sua alegria pelo que aconteceu durante a noite. “Se você acredita, você consegue”, disse em referência ao Edson e suas decisões. Cláudio informou que tinha recuperado a posse da casa de praia e disse da sua alegria por ter recebido nela o Marquinhos e família e que o imóvel era a continuação do FAM.

 

Em setembro, a reunião foi aberta com uma surpresa: a oração habitual foi feita pelo associado Edson Souza em parceria com sua esposa Betinha, estimulados pelo momento de harmonia conjugal que viviam no momento, contagiando a assembléia com o seu estado de espírito. O diretor social, Sr. Antônio Magalhães, exibiu folders e peças orçamentárias para o passeio anual do FAM. O projeto seria no Rio São Francisco, a partir de Penedo. A Assembléia sugeriu mudança de local. Houve sugestões para Barra Nova e Duas Barras. O assunto ficou pendente. A realização da 3ª Olimpíada do FAM foi aprovada. Seria no dia 12 de outubro. O local ficou indefinido. A reunião seria no sábado, dia 11 de outubro, às 20:00h. No dia seguinte: Caminhada Ecológica. Direto da tribuna, o diretor Wirley Carles apresentou o texto “Você pode fazer mais do que isto”, enfocando o relato pungente de uma mãe com o seu filho leucêmico. Em seguida, chamou o seu convidado especial, o presidente da ACALA, sr. Cláudio Olímpio dos Santos, para proferir a palestra do dia. O palestrante, presidente da ACALA e escritor (autor de dois livros Virtudes da Alma e Meditar é viver, com um terceiro a caminho), disse que o tema abordado em seus livros era a auto-ajuda. Falou sobre a deterioração da família de um modo geral e a alegria de se encontrar no seio da família Magalhães com uma organização como o FAM. Disse que os seus livros estavam sendo recomendados por dois psicólogos. Realçou a importância de uma organização como a família Magalhães. Feliz com a descoberta do FAM, disse que tinha tentado fazer algo semelhante com a sua família. Chegou a cadastrar inúmeros parentes, mas enfrentou dificuldades, não conseguindo o objetivo. Demonstrou interesse em entrevistar um membro do FAM para colher subsídios da nossa organização. Agradeceu o convite recebido e a acolhida que teve no ambiente sagrado do FAM. O presidente Cláudio Magalhães agradeceu a participação do palestrante. Dois livros foram doados à Biblioteca do FAM, os quais despertaram o interesse dos associados para a sua leitura. O diretor Wirley Carles anunciou a apresentação de um grupo familiar inspirado no original Rouge. As atrizes eram as garotas Lucinha (sua filha) e Isabella (do Marquinhos) que deram um show de graça e originalidade. Elas dançaram as músicas “Brilha a lua” e “Ragathanga”, do grupo original. A apresentação foi fotografada pelo associado Edson Souza, cujo entusiasmo foi tão grande que esgotou o filme, esquecendo os acontecimentos subseqüentes. As garotas foram aplaudidíssimas e a platéia chegou a pedir autógrafo. Anunciado como fruto de talento da família, Wirley lembrou que existia muito mais na família e precisava ser despertado. Lamentou a ausência do Marquinhos na reunião para ver o desempenho de sua filha. Lembrou que Arapiraca ia fazer 80 anos de emancipação política em outubro de 2004 e gostaria de executar um projeto da seguinte ordem: “O que a família fez pela cidade e vice-versa”. Lembrou que foi a família Magalhães que fez as primeiras experiências de fumo e muito contribuiu para a grandeza do município. Era hora de se pesquisar sobre o assunto. O presidente Cláudio, entre outras coisas, informou a renovação do aluguel do salão visinho à sede do FAM; Anunciou ter recebido um telefonema do Marquinhos e Vânia justificando a sua ausência à reunião. Convocou Isabela para transmitir o recado recebido dos pais. Direto da tribuna, ela disse com muita graça: “…meus pais pediram desculpas por não estarem na reunião e mandaram um beijo para cada um de vocês”. Cláudio lembrou que a casa da praia estava esperando por todos; que Ana Lúcia iria prestigiar/recepcionar os visitantes. Lourdinha, usando da palavra disse:: “Eu nunca usei uma tribuna”. Comunicou a sua nova residência, que colocou à disposição de todos. Betinha, que pediu ao presidente autorização para efetuar limpeza do sítio, no que foi atendida de pronto. Fez uma confidência. Revelou publicamente que, dos irmãos, gostava mais do Cláudio. E justificou. Certa vez, quando era noiva, a mãe lhe fizera uma advertência: se ela renovasse o namoro, não receberia mais a mesada. Ante o seu desespero, Cláudio garantiu: “Não se preocupe. Faça o que você achar conveniente. Quem deve lutar pela sua felicidade é você. Conte comigo”. A postura do Cláudio jamais foi esquecida. Juracy subiu à tribuna para dizer que estava feliz com o FAM e com a família por tudo de bom que têm feito por ele. Traduziu a sua satisfação ao se referir diretamente à Lourdinha por ter contribuído de maneira decisiva para conseguir a sua aposentadoria. Edson Souza parabenizou a diretoria pelos trabalhos apresentados; ao palestrante pelas belas mensagens e pelos livros doados ao FAM. Pediu ao Diretor Cultural que trouxesse um especialista em postura parlamentar porque o FAM estava precisando muito; que promovesse eventos visando angariar fundos dentro da própria família; lembrou que havia a necessidade de haver novas idéias em termos de passeio do FAM; falou sobre os encontros que nos levam a Deus; disse que se surpreendeu com o desempenho da Betinha, que está se aprimorando nos encontros de casais; estendeu o sentimento ao Cláudio e Ana; disse estar feliz participando das reuniões e que estava se desbastando nas suas limitações pessoais e disse da necessidade de ser mais humilde. Confirmou que fazia quatro meses que tinha deixado de fumar; e que a luta era espinhosa.

 

Em outubro, na abertura da reunião, Bernadete, representando o associado José Magalhães, fez uma saudação ao secretário, que estava aniversariando. O secretário cobrou ausência de pagamento na rubrica “Empréstimos”, bem como melhor atuação do Conselho Fiscal. O conselheiro Cláudio Jr garantiu maior empenho já a partir da reunião seguinte. O diretor social, Sr. Antônio Magalhães, submeteu ao plenário a definição da 3ª Olimpíada do FAM. A assembléia aprovou por unanimidade a sua realização. Seria na chácara Lilibel e a data era 9 de novembro. A reunião aconteceria no dia 8, à noite, na sede do FAM e no dia seguinte, a Caminhada Ecológica. O diretor Wirley Carles convocou o palestrante, Zezito Guedes, para falar sobre a História de Arapiraca. O historiador disse que a árvore genealógica da família estava pequena; deveria recuar aos bisavós dos nossos pais, que têm raízes fortes na história de Arapiraca. Discorreu sobre o tema dizendo que tudo começou num local chamado Alto do Espigão do Simão do Cangandu. Pelo adiantado da hora não pôde responder a todas as perguntas, ficando para se apresentar em outra oportunidade. Marquinhos lembrou o valor dos eventos protagonizados pelo FAM, dizendo que eles eram indispensáveis. Fez uma espécie de estratificação, destacando desde as reuniões até os eventos mais sofisticados como o passeio anual e a AGO. Significava dizer que todos deveriam prestigiar ao máximo. Sandra saudou o pai de maneira emocionadíssima. Falou em nome dos irmãos e da mãe. Agradeceu a Deus pelos pais que tem; disse que o FAM se orgulhava dele. E encerrou agradecendo a Deus por ser esposa do Dênis, o amigo de todas as horas. Márcio Magalhães destacou o mês de outubro de maneira especial, por ser o mês do seu querido filho Matheus; da inesquecível avó d. Olívia; do Betinho; de sua irmã Cristina; do tio Abel e de sua adorada esposa, Albenise.

 

Em novembro, não houve reunião.

 

Em dezembro, o secretário cobrou mais atuação do Conselho Fiscal. Apenas um conselheiro tinha efetuado a vistoria; e que a tesouraria deveria liberar o documento com antecedência mínima de uma semana, para facilitar o trabalho dos conselheiros. O diretor social disse sobre a não-realização da 3ª Olimpíada do FAM: “Peguei uma espécie de maleta preta. Apesar de todo o esforço despendido, não logrei sucesso”. Sobre o passeio anual do FAM, foi criada uma comissão para resolver o assunto. O Presidente disse que tinha participado de uma solenidade em que foi lançado o livro do imortal Carlindo Lyra, da ACALA. Destacou que o autor fez referência elogiosa à família Magalhães, ali representada pelo presidente do FAM. Falou sobre o Natal e o Reveillon. Incentivou a ida de todos para o Pontal de Coruripe. Betinha agradeceu, emocionada, a assistência dispensada pelos irmãos quando do acidente com o seu filho Weslley.  Ana Machulis cobrou a não-realização da reunião da diretoria em Maceió. O Secretário justificou dizendo que achava mais sensato as reuniões no local de sempre, a sede do FAM. Lourdinha cobrou mais amenidade no trato com os associados em termos de tesouraria. Sentiu-se inconformada com o estilo empregado na cobrança com os inadimplentes. Lembrou que a função principal do FAM era o congraçamento e não o dinheiro.  Marquinhos fez uma síntese do seu projeto de presidente. Disse que esperava ter “apoio”, “voz” e “liberdade”. Mencionou o nome de José Magalhães e foi questionado pelo Fernando sobre o porquê. Marcos César demonstrou preocupação com o poder de influência do Presidente de Honra. Fernando disse que o FAM tinha passado por uma fase, que foi brilhante. Descartou a preocupação mencionada. Disse que o nascimento é sempre doloroso. Propôs reflexão para a 2ª geração através de consultoria do SEBRAE.

 

Janeiro/2004O secretário observou que o relatório da tesouraria foi produzido de acordo com as exigências previstas, inclusive com a verificação efetuada pelo Conselho Fiscal. Por conseqüência, o feito foi aprovado com aplauso. O diretor social apresentou propostas para o passeio anual do FAM. Ficou decidido que o evento deste ano seria para a Barra de São Miguel, com extensão à praia do Gunga e alojamento na pousada Sete Mares. O passeio seria nos dias 6/7 de março e a AGO (Assembléia Geral Ordinária) no dia 14 do mesmo mês (dia do aniversário do presidente do FAM). A mudança de data dos eventos foi para se ajustar à vinda do Presidente de Honra do FAM, que foi obrigado a atrasar o seu período de férias na UERJ.  Adilson agradeceu a presença de todos na festa de bodas de ouro de seus sogros – Edgar e Eva – ocorrida no dia 30 de dezembro último, e destacou os momentos mais emocionantes. Sob forte emoção, leu mensagem de agradecimento elaborada pela esposa Marta Nogueira cujo original foi publicado na edição seguinte do NF. Disse que os homenageados choraram copiosamente principalmente na hora em que os netos homenagearam o casal posicionados em fila dupla. Em seguida, anunciou a festa de formatura de sua filha Ana Paula nos dias 23 e 24 de janeiro de 2004. Convidou todos os irmãos e disse que não dispensava a presença de ninguém. Sua voz ficou embargada todo o tempo. Cláudio Magalhães falou sobre o Reveillon acontecido no Pontal do Coruripe. Disse da sua satisfação e agradeceu a todos que se deslocaram para lá, inclusive pelos consertos realizados em sua casa. Em seguida, convidou a todos para um churrasco numa casa especializada da cidade.

Fevereiro/2004 – O Conselho Fiscal cumpriu mais uma vez o seu papel. O diretor social confirmou a realização do passeio anual do FAM para a Barra de São Miguel nos dias 6 e 7 de março, conforme comprovante de adiantamento de 50% do valor acordado. Em seguida, o Departamento Social, o qual ele representa, prestou uma justa homenagem à jovem Ana Paula Nogueira de Magalhães, em regozijo à sua formatura ocorrida no fim de janeiro passado. Sua esposa, Roseli Tavares, proferiu palavras elogiosas sobre o acontecimento e fez a entrega de uma placa com os seguintes dizeres: “Paulinha, suas conquistas nos enchem de orgulho. Esta é uma homenagem de todos os que fazem o FAM”. Paulinha agradeceu, emocionada, e foi seguida de uma série de pronunciamentos no mesmo tom, a começar pelo seu pai José Adilson, que transmitiu a sua mensagem de agradecimento e orgulho; lembrou de todos que contribuíram, de uma maneira ou de outra, para a grande conquista. Usaram da palavra para fazer referência ao feito as seguintes pessoas: Fernando, que lembrou momentos difíceis que testemunhou na vida da homenageada; Betinha, que lamentou estar ausente por motivo superior nas solenidades da sobrinha. Disse: “quem vive do comércio, nem sempre faz o que deseja”. Lourdinha, que lembrou gesto da Lívia em termos de visão interior ao dizer: “…a primeira colocada vai ser ela”. E foi; Marta Nogueira, que foi à tribuna dizer da sua emoção em ver a filha conquistando o grande objetivo. Emocionada, agradeceu a toda a família pelos bons momentos vividos; e Cláudio Magalhães que disse do valor de uma formatura. Outro ponto a considerar na reunião de fevereiro foi a repercussão do artigo escrito pelo associado Fernando Magalhães, que provocou uma discussão formidável em torno dos pontos perqueridos, fazendo com que todos quisessem ir à tribuna defender a sua opinião. O fato confirmava o grande valor do FAM, razão única para que a família se reúna todos os meses e, através desses encontros, estreitem os laços familiares, indispensáveis à uma família numerosa como a família Magalhães.

 

ConclusãoComo se viu, mais uma etapa da existência do FAM foi vivida intensamente. Destacamos a atuação do associado Marcos César que, sem ser diretor, não deixou de dar a sua colaboração ao FAM e ao diretor social, que solicitara o seu empenho no início da gestão. Mostrou a sua tenacidade objetivando o desejo de se transformar na ponte ideal entre a primeira e a segunda geração do FAM. Vimos a atuação do diretor cultural que não mediu esforços para ver o seu departamento repleto de atrações durante o ano. Tornou realidade a tribuna do FAM; providenciou conferencistas ao longo do ano e promoveu atrações artísticas durante todo o tempo. O seu entusiasmo foi até o mês de outubro, desaparecendo misteriosamente daí para a frente. Tivemos a atuação do diretor social que fez o que pôde para se sair bem. Mesmo com as sua limitações, deu tudo de si para ser bem-sucedido, inclusive com a participação de sua querida esposa Roseli Tavares, razão maior para o reconhecimento da diretoria, principalmente do presidente; tivemos a atuação da tesoureira Ivany que, apesar das suas dificuldades naturais, procurou se desincumbir do seu ofício da melhor maneira possível, recebendo o reconhecimento de todos os diretores e associados. Em suma, vimos mais um ano repleto de atividades festivas, cujo resultado maior foi a continuação do congraçamento da família, sob a batuta de um presidente que nasceu para ser bem-sucedido. Destarte, conclui-se que o FAM é definitivamente uma peça indispensável no seio da família Magalhães, precisando tão-somente efetuar pequenas correções de rumo, para continuar o seu brilhante futuro que, por certo, será alcançado a partir da próxima administração. Parabéns a todos!!!

 

Arapiraca (AL), fevereiro de 2004

Abel de Oliveira Magalhães

Secretário.

DEIXE UMA RESPOSTA

*