2019-10º livro – Nada menos que tudo

0
132

Rodrigo Janot com Jailton de Carvalho e Guilherme Evelin

“Temido e odiado por políticos de todos os partidos, aclamado como herói nas ruas, o ex-procurador-geral Rodrigo Janot é uma figura central da história contemporânea brasileira. Sua atuação no comando da operação Lava Jato transformou o país, expondo a corrupção em diversas esferas do poder. Por duas vezes, a chamada “Lista do Janot” fez o Brasil parar na frente da televisão ao envolver os mais marcantes personagens da vida nacional em escândalos. Em Nada menos que tudo, ele faz revelações importantes sobre grandes nomes da política brasileira, como Lula, Dilma, Temer, Aécio, Cunha, Serra, Collor, Genoíno, Sarney, Renan, Jucá, entre outros.

Aposentado e sem pretensões políticas, ele lembra os bastidores, as intimidações e as pressões que sofria continuamente. Recorda diálogos e situações indizíveis. Nas entrelinhas estão possíveis explicações para a escalada do movimento que levou Jair Bolsonaro à Presidência da República” – Pensamento da editora.

O livro narra episódios desconhecidos ao longo dos quatro anos em que o procurador esteve à frente das investigações do maior escândalo político do país. São histórias que se passam no coração do poder, envolvendo os homens mais poderosos da República e empresários influentes nos momentos mais agudos da operação. Narra situações de sabotagem, traição, desconfiança, intrigas e suspeitas entre os próprios membros da força-tarefa.

A tentativa do gesto tresloucado é alimentada pelas insinuações maldosas contra a sua filha, que o deixam num momento de dor aguda, de ira cega, e o faz colocar uma pistola carregada na cintura e por muito pouco não descarrega na cabeça da autoridade de língua ferina que, em meio àquela confusão orquestrada pelos investigados, resolvera fazer graça com sua filha. Só não houve o gesto extremo porque, no instante decisivo, a mão invisível do bom senso tocou no seu ombro e disse: “não”.

“Fui armado para o Supremo. Ia dar um tiro na cara dele e depois me suicidaria…” Ato contínuo, “tirei a pistola da cintura, engatilhei, mantive-a encostada à perna e fui para cima dele. Algo estranho aconteceu. Quando procurei o gatilho, meu dedo indicador ficou paralisado. Mudei de mão. O fato se repetiu. Pensei: é um sinal. E fui embora” – disse Janot.

O livro é empolgante; atual e de leitura indispensável. Você começa e não quer parar.

Sobre a autoria.

Rodrigo Janot foi procurador-geral da República durante dois mandatos, de 2013 a 2017, período durante o qual vários políticos foram presos. Jailton de Carvalho é repórter da sucursal de Brasília do jornal O Globo há 18 anos. Guilherme Evelin é editor executivo da revista Época.

Maceió, 10 de outubro de 2019

Abel de Oliveira Magalhães.

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

*