2019 – 4º livro – Cem Anos de Solidão

0
27

Cem Anos de Solidão
Gabriel Garcia Márquez
O livro mais importante de Gabriel Garcia Márquez.
“Neste que é um dos maiores clássicos da literatura, o prestigiado autor narra a incrível e triste história dos Buendía – a estirpe de solitários para a qual não será dada “uma segunda oportunidade sobre a terra” e apresenta o maravilhoso universo da fictícia Macondo, onde se passa o romance. É lá que acompanhamos diversas gerações dessa família, assim como a ascensão e a queda do vilarejo. Para além dos artifícios técnicos e das influências literárias que transbordam do livro, ainda vemos em suas páginas o que por muitos é considerado uma autêntica enciclopédia do imaginário, num estilo que consagrou o colombiano como um dos maiores autores do século XX” – Opinião da editora.
Como o livro foi escrito na metade do século XX, fica um pouco difícil compreender com mais facilidade o enredo apresentado. Isto não impede de se observar a imensa competência do autor, que tem uma facilidade incrível de escrever. “Ele é um mestre absoluto” – segundo James R. Frakes, do The New York Times.
Busca-se por toda parte a justificativa do título e ela se apresenta quando menos se espera, vinculada a uma estirpe de solitários. “Uma saga familiar em alucinada violência… ação sem tréguas em um ritmo obsessivo… poesia, humor, insólita grandeza… extraordinário lirismo” – Gin Ferrer, Barcelona.
O autor “mistura o mural à caricatura… páginas surpreendentes… epopeia trágica e truculenta” – George Sion.
Há quem diga tratar-se da obra mais importante, depois de Dom Quixote, de Cervantes – conforme Mário Vargas Llosa, grande romancista peruano.
“O Brasil é que merecia ter um romancista assim” – Diz Dalton Trevisan.
Gabriel Garcia Márquez nasceu no dia 06/03/1928, na aldeia de Aracataca, na Colômbia, perto de Barranquilla. Seu pai, homem de onze filhos, tinha uma pequena farmácia homeopática. Macondo, a cidade fictícia do livro, era a Aracataca do seu nascimento. Publicou o seu primeiro conto em 1948. Foi jornalista em Cartagena, Barranquilla e Bogotá. Casou-se em 1956; trabalhou como jornalista em Caracas e depois em Nova York; viveu no México durante seis anos; morreu no dia 17/04/2014, aos 87 anos.
O livro foi publicado em 1967 e se constituiu num fabuloso sucesso de crítica e de público no mundo inteiro.

Maceió, maio de 2019.
Abel de Oliveira Magalhães.

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

*