2018 – 7º livro – A verdade vencerá – Lula

2
169

A verdade vencerá
Luiz Inácio Lula da Silva
O povo sabe por que me condenam
Organização de Ivana Junkings, com a colaboração de Gilberto Maringoni, Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, além de outros.
“Às vésperas do desfecho de uma guerra jurídica sem precedentes chega às livrarias o livro A verdade vencerá: o povo sabe por que me condenam, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O lançamento se situa em um momento crucial da vida de um dos maiores políticos da história brasileira, na virada de fevereiro para março de 2018, enquanto o país aguarda a decisão do Poder Judiciário sobre sua prisão em decorrência da perseguição movida pela operação Lava Jato.
O coração da obra são as 124 páginas, de um total de 216, que apresentam um retrato fiel do ex-presidente no presente contexto em formato de uma longa entrevista concedida aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, ao professor de relações internacionais Gilberto Maringoni e à editora Ivana Jinkings, fundadora e diretora da editora Boitempo. Foram horas de conversa aberta e sem temas proibidos, divididas em três rodadas, que aconteceram no Instituto Lula, em São Paulo, nos dias 7, 15 e 28 de fevereiro.
Entre os principais temas discutidos, ganha destaque a análise inédita do ex-presidente sobre os bastidores políticos dos últimos anos e o que levou o Partido dos Trabalhadores a perder o poder após a reeleição de Dilma Rousseff. Lula também fala sobre as eleições de 2018 e suas perspectivas e esperanças para o País.
Organizada por Ivana Jinkings, com a colaboração de Gilberto Maringoni, Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, a obra traz ainda textos de Eric Nepomuceno, Luis Fernando Verissimo, Luis Felipe Miguel e Rafael Valim. Além disso, a edição é acrescida de uma cronologia da vida de Lula, organizada pelo jornalista Camilo Vannuchi, texto de capa do historiador Luiz Felipe de Alencastro e dois cadernos com fotos históricas, dos tempos no sindicato à presidência, passando pelas recentes caravanas e manifestações de rua” – registro da editora.
O livro segue o rastro concreto do entrevistado. Lendo a obra parece que se está diante do Lula, tal a autenticidade do que está escrito. Para quem é seguidor dele, o livro é o máximo. Para quem não é seguidor dele, uma grande oportunidade para ver e sentir a sua verdadeira filosofia de vida. Ele é autêntico, fervoroso e até pragmático, a ponto de curtir um incontrolável hábito de bater na mesa toda vez que faz uma declaração mais forte do que o normal e talvez tentando passar uma mensagem que tem que ser acreditada, independente de convencimento ou não.
EXCERTOS:
“Se não tem emprego, o que eu preciso fazer? Gerar emprego. Para gerar emprego, tem que ter desenvolvimento; para ter desenvolvimento, tem que ter crescimento; para ter crescimento, tem que ter dinheiro! [Bate na mesa.] Não precisa ir para a universidade para saber disso”.
“Não me pegaram no movimento sindical, não sei se vocês sabem, quando o Murilo Macedo interveio no Sindicato… (Você viu, Ivana, que eu falei “interveio”? [Risos.] Mandei bem… Uma vez, eu estava falando com o Brizola, e ele: “Interviu”; e eu, na lata: “Brizola, não é ‘interviu’, é ‘interveio’”… [Risos.]) Pois então, o Murilo foi ao Sindicato, foi ao Banco Itaú, e nada… A coisa é tão canalha…”
“A Boitempo – EDITORA DO LIVRO – é uma editora independente. Não faz parte de nenhum grande grupo empresarial nem é vinculada a partido político, movimento social ou instituição religiosa – e tem como única fonte de renda os livros que publica. Em duas décadas de existência, buscamos articular as necessidades de sobrevivência com uma linha editorial comprometida com o pensamento crítico. Não publicamos obras de autoajuda, livros didáticos nem fast-food literário. Não buscamos confortar ilusoriamente as pessoas. Tornamo-nos reconhecidos por oferecer aos leitores edições bem-cuidadas de obras de alta qualidade, escritas por autores progressistas das mais diversas tendências – muitas delas com críticas consistentes a posições e à gestão do PT no poder. Não apoiamos – como empresa – este ou aquele candidato. Mas temos consciência de que o Brasil vive uma escalada de intolerância e preconceito, potencializada” – Sobre a editora Boitempo.
“A reeleição da presidenta Dilma Rousseff significava que, apesar da mais agressiva campanha midiática de desmoralização contra um governante no Brasil, intensa e ininterrupta por mais de um ano, as forças conservadoras não conseguiam obter a maioria do voto popular numa eleição presidencial.”
“É possível especular que a perseguição teve como objetivo inicial deixar Lula na defensiva e, sobretudo, desmoralizá-lo, esvaziando sua liderança política com a descoberta de algum ilícito incontestável.”
“Assim, não houve outra saída a não ser a condenação de Lula em segunda instância, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em janeiro de 2018. As fragilidades do processo foram amplamente denunciadas: ausência de provas, cerceamento do direito”.
“Luiz Inácio Lula da Silva é um dos maiores políticos da história brasileira, talvez comparável unicamente a Getúlio Vargas, pela quantidade de marcas que ambos imprimiram ao Brasil.”
“Se eu terminar o meu mandato e todo brasileiro tiver tomado café de manhã, almoçado e jantado, já terei cumprido a meta da minha vida. Por quê? Porque não era pouca gente que tinha fome neste país; eram nada menos que 54 milhões de pessoas, ou seja, talvez a população do que seria o décimo país do mundo não tinha o que comer”.
“Juca Kfouri – E sua relação com o Fernando Henrique Cardoso? Lula – Ah, ele queria que eu ganhasse em 2002, depois passou a torcer pelo meu fracasso. Qual era a lógica do Fernando Henrique Cardoso? Era que, se eu ganhasse, ia ser um fracasso, e ele voltaria nos braços do povo. Por isso ele não queria o José Serra. Se o Serra ganhasse, ia querer a reeleição. Ele dizia isso a vários interlocutores, que me diziam isso. Ele era muito simpático à minha candidatura. Fez uma transição extraordinária, civilizada, como eu falei antes”.
“Clinton tinha sido o melhor presidente do final do século XX, e eu tinha sido o melhor presidente do início do século XXI. Esses meninos que trabalham comigo resolveram pensar grande, e eu passei a cobrar 200 mil dólares por palestra. E a enxurrada de palestras era grande, 80% fora do Brasil”.
Pois bem, aí está uma pequena mostra do pensamento do Lula. É uma obra importante, que serve para enriquecer o conhecimento do leitor, principalmente em se tratando de uma pessoa instigante e corajosa como Lula. Não é atoa que uma pessoa chega ao patamar que o Lula chegou.
Maceió, 04/04/2018
Abel de Oliveira Magalhães.

Compartilhar

2 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns pelo release de forma imparcial sobre a obra daquele que um dia a história pode até afirmar que ele pode ser o maior presidente que o Brasil já teve, visto que a tendência de sua visão é avessa a este sentimento. Não deve ter sido simples se abster.

  2. Abel, faço das palavras do Miguel Jr as minhas palavras. É de admirar como você, que tem uma linha política independente – porém, mais voltada para a centro-direita, se dispõe a ler uma obra mais voltada para a centro-esquerda. Por isso, só posso lhe parabenizar pelo feito e sua opinião independente, mostrando a realidade dos fatos ali contidos!!! VALEU!!!)

DEIXE UMA RESPOSTA

*