2017 – 3º livro – Esaú e Jacó

1
436

Esaú e Jacó
Machado de Assis
“Esaú e Jacó é o penúltimo livro de Machado de Assis, lançado quatro anos antes da sua morte e, segundo a maioria dos críticos, em pleno apogeu literário, depois de escrever, em 1899, Dom Casmurro, o mais célebre de seus livros.
Esaú e Jacó se destaca por consolidar esta suave maestria no domínio da narrativa. Machado despoja-se da excentricidade ocasional num texto que abandona resquícios do picaresco e envereda num realismo que retoma a melancolia e o lirismo que se iniciara na primeira fase de sua produção literária. Destaque são os personagens muito próximos da vida real”.
Machado de Assis é considerado o escritor de maior importância para a literatura nacional. Foi jornalista, poeta, cronista, dramaturgo, folhetinista, crítico literário, contista e romancista. Viveu no tempo da passagem do Império para a República. Foi grande relator e comentador dos acontecimentos da época na esfera política e social.
De família pobre, teve escassas oportunidades de estudo em escola pública. Nunca cursou uma universidade. Seu grande trunfo era a sua genialidade; o seu intelecto superior considerado um gênio.
Ascendeu socialmente e assumiu diversos cargos em órgãos como o Ministério da Agricultura, de Obras Públicas e do Comércio.
Já maduro, com outros colegas escritores, fundou a Associação Brasileira de Literatura – A.B.L, sendo o seu primeiro presidente eleito por unanimidade em 1897.
Sua obra é extensa. Escreveu dez romances. Teve a fase romântica e a realista. Sua obra se mantém sob grande interesse do público em geral e do público acadêmico. Seus escritos têm alcançado admiradores, críticos e estudiosos do mundo inteiro, levando-o a ser considerado ao lado de gênios como Camões e Shakespeare.
Machado de Assis não viveu o suficiente para ver a sua popularidade crescer fora do país.
Machado era filho de Francisco José de Assis, um mulato que tinha como ofício a pintura de paredes e era filho de escravos alforriados e de Maria Leopoldina da Câmara Machado, lavadeira dos Açores. Viviam agregados a um casal que os abrigou e permitiu que os seus pais morassem junto a eles. Seu nome “Joaquim Maria” foi uma homenagem a seus padrinhos.
Esaú e Jacó é uma narrativa de dois irmãos gêmeos que tinham ideais políticos distintos. Um era admirador do regime monárquico e o outro republicano. Ambos se apaixonaram pela mesma mocinha – Flora. Os nomes Esaú e Jacó foram inspirados nas histórias da Bíblia e tudo se passa no Rio de Janeiro, na época da transição da Monarquia para a República.
Maceió, 09 de fevereiro de 2017.
Abel de Oliveira Magalhães.

Compartilhar

1 COMENTÁRIO

  1. Abel, parabéns pela performance. Afinal já é o terceiro livro lido em menos de 2 meses. Com essa média, você
    “performará” um volume extraordinário. Relativo à sinopse, gostaria de registrar que ler Machado de Assis é um privilégio para poucos e sua abordagem nos convida a também participar dessa aventura.
    Certamente devo ler tal obra.
    Abraço
    Fernando

DEIXE UMA RESPOSTA

*