2016 – 19º livro – O sócio oculto

0
555

O sócio oculto
Nilo Dante
Apresentação da editora
“Ao tratar pela primeira vez o tema corrupção em forma de romance, “O Sócio Oculto” revela os bastidores da luta pelo controle do Palácio do Planalto e das áreas mais cobiçadas do organograma oficial. Expõe as artes da elite política e econômica em sua busca incessante de enriquecimento num país marcado por chocantes contrastes sociais. Mas não há uma linha de lamúria ou queixa. Há o luxo total e o lixo subjacente: corrupção desenfreada.
A narrativa é quase um manual sobre a formação de enormes fortunas envolvendo dinheiro público, chantagem, ambientes sofisticados e paraísos fiscais ao redor do mundo além do caminho de volta ao Brasil sem passar pelo crivo da Receita Federal.
Quando o principal auxiliar do presidente da República contraria o acordo de seu chefe com um importante senador e consegue “vender” um cobiçado ministério a um lobista, arma-se um grande escândalo nacional. Acuado, o presidente decide renunciar, mas é demovido temporariamente da ideia pelo artífice de sua eleição, sem suspeitar que este se acha na origem da crise.
A trama se baseia na trajetória de um self made man que nasceu quase pobre e ganhou o primeiro dinheiro, ainda um pre-adolescente, furtando sacas de café no Vale do Paraíba. A certa altura, a partir de favores obtidos nos órgãos do Governo por meio de suborno, ele se torna um dos maiores exportadores de café e açúcar do Brasil.
Discretamente, enriquece nas sombras do poder graças à sua expertise no controle de parlamentares e governantes, na compra e venda de cargos e de mandatos eleitorais. Um mestre no trato de bastidores com as altas esferas, ele cria um esquema de segurança inexpugnável para a corrupção de alto calibre através de escritórios de advocacia e fundos de investimentos.
Num país de vários níveis de banditismo no exercício da vida pública, o livro dá uma ideia teatral ou cênica de como se assalta o erário elegantemente.
Nas reuniões do chamado Grupo do Morumbi, reduzida fraternidade das maiores fortunas do Brasil, uma leitura divertida sobre o jogo da escolha do candidato ao Planalto que a elite da elite irá impor ao país.
O personagem central é um frio chefe de quadrilha de alto coturno sem que ninguém o saiba fora de seu íntimo círculo composto por um exímio banqueiro, um importante dirigente da “Polícia Nacional” – seus amigos de infância – e um elegante operador internacional que tem como membro da família. Possui jatos intercontinentais, mansões, fazendas, iate, mas nada ostenta. Vive mais em Nova York que no Brasil e vive para a família. Quando o filho se envolve com uma bailarina dada ao consumo de drogas, ele soluciona o problema da forma mais objetiva e cruel.
Aqui, o homem cordial é apenas aparência. A guerra é brutal pelo dinheiro e o poder. O tempo é difuso, os nomes também. Banco do País, Ministério dos Recursos Minerais, Eletronac. Tudo é ficção, só a realidade parece oculta e dá nome a um livro que, sem qualquer pretensão analítica, desvenda o painel da grande roubalheira nacional de ontem, hoje e amanhã”.
Pela apresentação da editora conclui-se que se trata de um excelente livro. O autor mostra o preço da ambição desenfreada, onde o personagem central não se satisfaz com tudo o que conquista através da corrupção. É, pois, um excelente aprendizado nesse universo de ambição e desejos incontroláveis. O autor incursiona o mundo inteiro e mostra um conhecimento maravilhoso. O livro apresenta uma dinâmica formidável e o leitor não se cansa de ler a obra de maneira divertida. Pelo conhecimento do autor, o leitor viaja o mundo inteiro e conhece os melhores ambientes se divertindo e apreciando o que existe de bom no mundo da mais alta sociedade. É, pois, um belo livro, que deve ser lido por quem deseja melhorar os seus conhecimentos gerais. Giovanni Racco, personagem principal, tinha tudo que um ser humano deseja. Morava na cobertura debruçada sobre o Central Park em Nova Iorque; 60 anos de idade; boa saúde; bem casado e pai de um filho a quem passa os ensinamentos de sua vida desregrada. Imperdível o livro.
Maceió, 09 de setembro de 2016.
Abel de Oliveira Magalhães.

Compartilhar

DEIXE UMA RESPOSTA

*