2016 – 15º livro – Diário da presidência II

1
658

Diário da presidência II
Fernando Henrique Cardoso
“Os bastidores da emenda da reeleição, crises internacionais e pressões especulativas contra a moeda brasileira, indecisões de fundo quanto à política cambial, a morte de dois fiéis escudeiros, supostos “escândalos” e chantagens.
Neste volume de seus diários (1997-1998), Fernando Henrique Cardoso registra alguns dos maiores desafios — tanto políticos quanto macroeconômicos — de seus anos no poder e transmite ao leitor a sensação palpável do áspero cotidiano presidencial.
Em meio à tenaz batalha para a implementação de reformas modernizadoras, tendo por aliados setores arcaicos do país ante a impossibilidade de acordo com a esquerda tradicional, o então presidente encontra tempo para reflexões premonitórias sobre o jogo de forças da política brasileira. Leitura indispensável para a compreensão do país hoje” – Resumo da editora.
A obra revela o excelente negociador que FHC é. Ele demonstra uma facilidade imensa de se relacionar com o universo político, lidando com autoridades nacionais e do mundo inteiro. Por conta disto, supera adversidades muito difíceis nesse ambiente escorregadio e cheio de falsidades, e interesses escusos em grau muito elevado.
O seu conhecimento é algo admirável e invejável. Leitor voraz, lê tudo que lhe cai às mãos em termos de qualidade; admirador de cinema, teatro, música, encontros sociais e viagens constantes no Brasil e no mundo, batalhando sempre pelas suas convicções.
Suas relações no mundo político se destacam, inclusive, com o tinhoso Antônio Carlos Magalhães que é um capítulo à parte. Destaque também para o famoso Paulo Maluf e a imprensa em geral. Tem-se a impressão que irá sucumbir; que os adversários vão derrubá-lo de seus objetivos, mas sempre surpreende. São muitas as adversidades. Mas ele permanece incólume; brilhante.
Enfrenta dificuldades naturais nas relações com Serra, Itamar Franco, Sérgio Motta e Mario Covas.
Concede dezenas de entrevistas semanais aos meios de comunicação do país e do exterior.
Em meio a esse emaranhado de coisas, ainda encontra tempo para se dedicar aos filhos, netos e esposa. Via de regra levanta cedo e dorme tarde. E ainda pratica natação e exercícios físicos.
Fluente em vários idiomas com apresentações no mundo inteiro, inclusive sendo homenageado como estadista exemplar nos USA, Londres, França e Europa em geral. Nos eventos dispensa tradutor e se comunica, via de regra, no idioma local ou universal – o Inglês.
Adora futebol, principalmente a seleção brasileira, assistindo sempre às suas partidas.
Dá verdadeiras aulas de relações políticas e econômicas.
Por opção pessoal, nunca lê Jãnio de Freitas, cronista da Folha.
Por fim, foi o articulador-mor do Acordo de Paz entre o Peru e o Equador, tendo sua assinatura sido feita no Brasil com a presença dos Reis da Espanha, que vieram somente prestigiar o acordo, dando-lhe contornos definitivos. A cerimônia aconteceu em Brasília, com a presença de todas as autoridades envolvidas. Uma grande conquista.
Sua preocupação maior é construir as bases para um Brasil bem-sucedido. Prepara o terreno e chega a se dedicar ao Lula, pensando que ele será o seu eventual sucessor. Providencia encontro com o interlocutor. Falam francamente. Aparentemente, sintonia pura. Na imprensa vaza insinuação maldosa sobre o assunto, insinuando que a iniciativa teria sido do Lula. Ele supera com naturalidade. Como ainda temos mais dois volumes pela frente, é de se imaginar que muita coisa vamos aprender nessa bela contenda. Vamos aguardar.
OS: Este é o 2º dos quatro volumes desenvolvidos pelo ex-presidente, cujos originais estão com a editora e serão entregues ao público até o meado de 2017.
Maceió, 13 de julho de 2016.
Abel de Oliveira Magalhães.

Compartilhar

1 COMENTÁRIO

  1. Oi Abel
    Gostei da sinopse, escrita leve, didática, convidativa e incentivadora pra gente ler a obra. Acho que vou parar com o Elio gaspari e voltar rapidinho pra esse belo livro..
    E o melhor, assim como ele, coincidentemente também tenho optado não ler o janio de Freitas.

DEIXE UMA RESPOSTA

*