VIA-CRÚCIS DO CLÁUDIO

6
1036
Claudio Magalhães

VIA-CRÚCIS DO CLÁUDIO
No dia 9/4/2016, postei para o Cláudio a mensagem: – Como vai ser a sua jornada de saúde?
Ele respondeu: – A minha cirurgia foi suspensa devido a um defeito na máquina. Ficou para a próxima semana.
– Você acharia conveniente registrar o caso no Portal do FAM?
– Vamos aguardar a confirmação. Aí a gente registra todo o processo.
– Ok. Abraço.
11/04/2016
– Abel, vou fazer uma cirurgia para colocar um stent em artéria visceral por vaso, no dia 14 do corrente. Fique à vontade para noticiar onde você achar conveniente.
13/04/2016
– A que hora vai acontecer o procedimento? Se possível, me deixe bem informado.
– Devo estar no hospital amanhã, por volta das 6:30h, no Arthur Ramos. O procedimento vai ser pela manhã. A Luma vai acompanhar a cirurgia. Qualquer coisa, avisaremos.
A VIA-CRÚCIS
Conversando com o Cláudio em sua casa depois do seu martírio, obtivemos o seguinte relato:
– Cláudio, quando começou a sua luta?
– Pouco antes do dia 9/4, quando me dispus a fazer a colocação de um stent. Eu achava que não precisava fazer a cirurgia. Cheguei a dizer isso ao médico. Mas ele disse: São os seus exames. Você é quem sabe.
Eu me sentia disposto. Consultei outros médicos de minha confiança e a decisão foi pela cirurgia, principalmente porque disseram que era uma coisa simples. Apesar de simples teve certas consequências que eu não entendia. E me preparei para o procedimento; intensifiquei os exercícios na academia, inclusive porque dizem que quem age assim, ajuda na recuperação de tais procedimentos. Assim, fiz a cirurgia e inicialmente me senti muito bem. O médico me colocou num apartamento e me deu uma informação: a partir de hoje o senhor não vai deixar de tomar remédio anticoagulante.
A gente se surpreendeu e focou cismado, pensando se seria sintoma de alguma doença incurável. O médico perguntou: você tem alergia a algum medicamento? Não, respondi. E me receitaram AAS (Ácido Acetil Salicílico). Tomei o remédio. Daí a pouco comecei a sentir reação. Inicialmente, achei que era normal. Diante do meu estado de euforia, a equipe responsável veio me dar alta. Fez as recomendações e receitou os remédios necessários. E disse: fique tranquilo. Mas advertiu: cuidado, que você está operado e não exagere!
Cláudio estava tão feliz que realçava a perfeição da cirurgia e disse: “Olhe, quase não tem marca. Foi tudo perfeito”. E o trabalho médico foi muito complexo. Foi utilizada a técnica de videolaparoscopia; algo maravilhoso. Tudo assistido pela Luminha, que pertence à área. Eu estava ansioso para vir para casa, mas depois do tal do AAS… Assim que a Dra. Amanda me deu alta e fez as suas recomendações, comecei a tremer. A tremedeira aumentava de tal forma que era insuportável. Era tão forte que eu não tinha controle sobre o meu corpo. Então a Ana Lúcia correu a chamar a médica. Houve aquele corre-corre. Vinha uma vontade de vomitar incrível e eu não conseguia. Acho que, se o meu stent fosse como o da Sandra, eu teria morrido. Era um negócio incontrolável. Ana Lúcia dizia: tenha calma!, tenha calma! Acho que nunca mais vou esquecer na minha vida. Graças a Deus os médicos chegaram e mandaram logo aplicar uma injeção na veia. Aí foi outra novela, não achavam veia disponível. Foi muito difícil. Foi mais de quinze minutos de agonia, mas, felizmente a injeção começou a fazer efeito e o suplício foi se amenizando. Por conta do tremor inesperado, a minha alta foi suspensa. Ficou para o dia subsequente. Tio Claudio sendo assistido Ana Lúcia aproveitou para advertir: o homem estava tão ansioso que queria até pular pela janela, para ir para casa. Isso, antes do efeito do tremor. Depois disso, “fiquei murchinho”. E me submeti à vontade dela com todo carinho. Pela recuperação observada, no outro dia me deram alta. Quanto à crise de tremedeira, deduziu-se que tinha sido efeito do AAS. Como o Cláudio precisa tomar o remédio de modo permanente, substituíram a fórmula; passaram para um AAS especial.
Cláudio foi para casa todo feliz. Mais uma vez se enganou. Tomou o Sheake Herbalife e tudo que achava que tinha direito. Dormiu bem; almoçou um pouco tarde; se alimentou e começou a sentir uma cólica. Tomou uma dose de Buscopan. Não melhorou. Tomou a segunda, idem. Lembrou da orientação médica: “Se tiver qualquer problema, venha direto para a Emergência do Artur Ramos”. O problema começou a se agravar. E foram todos de volta para a Emergência citada.
Cláudio foi gemendo até o hospital. Não podia passar por uma trepidaçãozinha que ele não suportava. Felizmente, chegaram lá. Aí outro problemão. A Emergência estava lotada. Eram 11 h da noite. “Não tem vaga”, disseram insistentemente. Cláudio chegou dizendo: “Estou morrendo e me façam alguma coisa”. Diziam: “Tenha calma”! Ele não suportou e entrou sem autorização. O médico de plantão perguntou: “Quem mandou você entrar”? Cláudio reagia: “Dr. estou morrendo. Faça alguma coisa por mim”. Depois de muito sufoco, o médico verificou o quadro e receitou Tramal, uma droga muito forte. Aí começava nova via-crúcis. Depois da aplicação do Tramal, o problema começou a aliviar. Diz o Cláudio que esse remédio só perde para a morfina. Ele ficou numa maca, porque não tinha cama disponível. Cláudio na maca e Ana Lúcia numa cadeira – passaram o resto da noite. No dia seguinte, o paciente que estava ao lado foi removido e o Cláudio foi para a cama dele. Passou 24 horas nessa situação irregular. Até que a Larissa, sobrinha da Ana, através de amizade, conseguiu um apartamento de dois leitos, para onde ele se deslocou. Aí o sofrimento começou a aliviar. Todavia, outro suplício começava a acontecer. Seus órgãos vitais começavam a não funcionar. A medicação travava tudo. Não se alimentava; não evacuava, nem fazia outras necessidades vitais. O medicamento aflorou um problema que ele tinha na vesícula e com que convivia bem. Os desdobramentos fizeram o Cláudio se lembrar dos problemas enfrentados pelo seu pai e pelo irmão José nas horas difíceis de suas vidas. A vesícula do Cláudio estava cheia de pedras. Ele temia eventual estrangulamento. Aí foi uma montanha de exames: tomografia computadorizada; endoscopia; ultrassonografia e tudo mais. Isso tudo sem se falar nos exames de sangue, que eram a toda hora. Resolveram fazer a cirurgia do colédoco (como o Cláudio sempre se refere) que estava obstruído e sem funcionar; a bilis não passava; estava tudo entupido. Para fazer essa cirurgia, tinha que suspender o remédio anticoagulante. Eram necessários cinco dias. O Cláudio não comia nada, porque o organismo não aceitava. Ele pedia para tirarem a aplicação porque ele achava que ela o estava matando. O sangue não coagulava, por causa do anticoagulante. Para cessar o efeito desse remédio tinha que vencer pelo menos cinco dias. Passado o tempo necessário, o médico se comprometeu a fazer a cirurgia com 24 horas. Tio Claudio (1)Disse para o paciente não beber sequer água. Na hora prometida o médico viajou porque era fim de semana. Foi terrível para o paciente. Só havia dois especialistas no caso do Cláudio. O médico chegou para ele e disse que não fazia os procedimentos através de plano de saúde. Mas deixou o Cláudio muito à vontade para tomar a decisão mais conveniente. Inclusive com relação a pagamento, disse que facilitaria tudo; e só acertaria pagamento após os procedimentos e ele se sentindo bem. Como estava em jogo o bem mais precioso do paciente, Cláudio não hesitou: “Pode fazer, Doutor. Eu quero é a minha saúde”. Deninho entrou na jogada e pediu ao médico que fizesse tudo que fosse possível pelo seu tio. O prático concedeu um desconto de 20%. A cirurgia foi um sucesso. Faltava a terceira. Era a da remoção das pedras da vesícula. Como não entrava nada no seu organismo, foi decidido fazer alimentação parenteral. Segundo o Cláudio, foi isto que o salvou. Tio Claudio (3)Dois dias depois, a cirurgia foi feita. E foi bem sucedida.
Cláudio se emocionou várias vezes quando conversávamos. Disse em determinado momento: “Faça tudo para não precisar entrar num hospital”. “Pensei várias vezes que ia morrer”. Segundo a Ana Lúcia, no hospital Cláudio chorava que só um desenganado. Diz ele que a “Luminha foi maravilhosa”. Ele não evacuava nada. Estava empanturrado. O que resolveu o problema foi um remédio receitado via telefone por um médico sediado em Aracaju, que era conhecido da Luma. “Esse remédio fez milagre”. Funcionou legal. Foi aquele alívio. Cláudio informou ao médico sobre essa iniciativa e ele sugeriu um bem mais em conta. Com uma hora e meia depois, Cláudio evacuou tudo que estava travado durante mais de uma semana. Ana Lúcia executou a difícil tarefa de assepsia com muito denodo. A partir daí o organismo melhorou o suficiente para que a nova cirurgia fosse feita, transformando-se num verdadeiro sucesso. O médico informou ao Cláudio que a sua vesícula estava cheia de pedras, sangrando e prestes a estrangular. Que perigo! Cláudio se sentiu tão bem que brincou com o médico, dizendo que parecia que não tinha feito a cirurgia. O milagre estava na tecnologia avançada e utilizada no procedimento. Graças a Deus. O perigo era a vesícula cheia de pedras e correndo o risco de estrangular.
Ao voltar para casaTio Claudio (2), o médico disse: “Só não toque em crustáceos. O resto pode abusar. (Força de expressão).
Cláudio fez referência à perda de peso. Sentia-se meio cadavérico. De fato, ele perdeu mais de dez quilos. Está bem magro. Dentro de pouco tempo, ele vai voltar ao normal, porque está comendo que só um burrinho.
Antes de encerrar a entrevista, Cláudio fez questão de realçar certos valores de suma importância na vida da gente. Lembrou o carinho e atenção do Deninho; da Luma (que só a chama de Luminha); da Larissa; de seu querido filho Cláudio Júnior, que não mediu esforços para estar sempre perto do pai; de sua grande esposa Ana Lúcia, que foi um baluarte em toda a sua via-crúcis e, por fim, a família que de uma maneira geral chegou junto, apoiando de primeira.

-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-
Reações:
A seguir, algumas das centenas de mensagens que a família postou para o Cláudio durante o seu sofrimento. Grande abraço, Abel Magalhães.Tio Claudio (6)
Lurdinha: Boa sorte, Cláudio, na sua cirurgia. Estarei mentalizando boas energias.
Ana Machullis: Boa sorte, vizinho. Deus te abençoe. Sucesso na cirurgia.
Eline: Tio, tudo de bom na sua cirurgia. E que sua recuperação seja breve.
Marcus Vinicius: Boa sorte, tio Cláudio, no procedimento para colocação do stent. Estaremos rezando pelo seu sucesso e saúde.
Cláudio: Obrigado a todos pelo gesto positivo relativo à minha cirurgia. Acredito ser um procedimento simples e acho que vai dar tudo certo. Já conversei com o médico e ele me tranquilizou. Estou bem tranquilo.
Marquinho: a Isabela me explicou como vai ser a sua cirurgia, mesmo sabendo que hoje é considerada simples, mas vamos fazer nossa corrente de fé e otimismo.
Lurdinha: Consultei o Dr. Google. KKKK.
13/04/2016
Márcio Rogério: Tio Cláudio, estamos torcendo para que seja um sucesso a sua cirurgia e recuperação.
Cláudio: Obrigado, Marcinho. Se Deus quiser vai dar tudo certo.
14/04/2016
Na sala de espera para internação… Uma bela foto do Cláudio com a neta Luma Magalhães. Ela diz: Ele está tranquilo. Vai dar tudo certo!
Lurdinha: Lindos! Se precisar, me chame.
Luma: O procedimento está previsto para as 10h. Obrigada, tia lindona.
Lurdinha: Vamos ficar na torcida. Beijos.
Edson Souza: Meu irmão e compadre Cláudio, Jesus te abençoe.
Isabela: Vai dar tudo certo!
Edson Souza: Que Deus te dê paz e tranquilidade neste momento. Estamos orando por você! Faça uma reflexão na palavra de hoje. Peça para a comadre Ana ler para você ou você mesmo leia.
Cláudio: Estou bem tranquilo. Obrigado, compadre, pela força.
Magal: Tio Cláudio, Deus te proteja! Beijos.
Cláudio: Obrigado, Magal.
Deninho: Qual é o hospital, Luma?
Luma: Artur Ramos.
Deninho: Estou no Hospital do Açúcar. Bem próximo.
Cláudio: OK. Apareça por aqui, se puder…
Luma: Ainda estamos aguardando a liberação do quarto para internar.
Sandra: Bom dia! Deus no comando, tio Cláudio. Vou ter um companheiro de stent.
Cláudio: É verdade, Sandra, a Luma dará todas as coordenadas.
Fernando: Boa sorte, meu irmão querido.
Eline: Bom dia! Sucesso na sua cirurgia, tio. Avise quando terminar, professora Luma.
Adilson: (brincando) Quer que eu lhe envie uns coquinhos kkk? Boa sorte, Negão!
Cristina: Boa cirurgia, meu Dindo querido… Minhas orações são para você, hoje. Vai dar tudo certo. Deus está no comando. Grande beijo de sua afilhada que te ama. Luma, por favor, quando ele entrar na sala de cirurgia, avise, para entrarmos em corrente de oração. Grata.
Cláudio: Obrigado, Cris, você é demais. Obrigado, Adilson.
Abel: Seja bem-sucedido, Cláudio. Você está bem acompanhado. Abraço.
Cláudio: É verdade, Abel. Isso me rejuvenesce. Abraços e obrigado.
Wirley: Tio Cláudio, boa sorte. Vai ficar mais forte, mais viril. Ninguém segura esse homem.
Adilson: Kkkkkk. Família é lindo. Amo tudo isso.
Depois de um tempo:
Cristina: Nada, Luma?
Ana Machulis: Vizinho, corre tudo bem? Deus no comando.
Luma: Gente, tivemos um problema. O hospital está com superlotação de leitos. Acabou o horário do cirurgião e do anestesista aqui. Pelo menos agora no turno da manhã (8 às 11), não desocupou nenhum quarto. A cirurgia foi suspensa por esse motivo.
Em seguida: acabou de vagar um apartamento e resovemos internar para garantir logo o quarto e tentar a cirurgia ainda hoje à tarde ou amanhã pela manhã.
Abel: Faz parte. Estamos ligados. Abraço.
Cláudio: Obrigado, Wirley. Estamos fazendo tudo para melhorar a saúde. Não sei se fica como você disse, mas procuro sempre melhorar a saúde.
Deninho: Qual o apartamento, Luma?
Luma: Por enquanto nenhum. Ainda estamos na sala de espera.
Cláudio: Continuo esperando e tranquilo. O ap. está sendo limpo. Ap. 226.
Fernando: Negão, paciência. O de lá de cima sabe das coisas. Estamos com você.
Cláudio: Legal, Fernando. Estou pensando que estou num hotel tirando uma folga da rotina ao lado da esposa e minha estimada neta Luma, esperando para amanhã me submeter ao procedimento cirúrgico. Há pouco, esteve aqui o Deninho me visitando, que nos alegrou com sua gentil maneira de ser.
Ana Machulis: Vizinho, no sábado vou fazer um exame na Medradius aí ao lado. Caso esteja aí, irei visita-lo.
Abel: É um paciente privilegiado.
Cláudio: Vizinha, se Deus quiser, sábado não estarei mais aqui. Devo ter alta no sábado de manhã.
Dia 15/04/2016
Cristina: Tudo bem aí no hospital?
Cláudio: Tudo bem, Cris, aguardando a hora para entrar no Centro Cirúrgico.
Fernando: Cláudio, sem barriga!!! A essa hora você deve estar em procedimento. Que o universo conspire por você. É o meu desejo.
Magal: Amém! Ana Machulis, Marcus Vinicius, Eline, Cristina: Boa sorte! Estamos na torcida e aguardando notícias; que os médicos sejam instrumentos de Deus para o sucesso de sua cirurgia.
Luma: Está acabando a cirurgia. Tudo ok. Já colocou o stent.
Cláudio Jr: Maravilha!
Familiares: Aplausos….
Luma: Acabou. Estou aguardando ele passar para a sala de recuperação.
Aplausos; agradecimentos a Deus. Ele está novinho em folha. Já está no quarto. Não precisou ir para a recuperação.
Eline: Tá fofão!!!
Isabela: É supertranquila, essa cirurgia. Graças a Deus deu tudo certo. Esses Magalhães são rochedo.
Luma: A equipe o elogiou bastante, pois ele colaborou muito durante atodo o procedimento. Ficou acordado durante a cirurgia, para fazer apneia em alguns momentos para facilitar a visualização.
Fernando: Gostei! Essa cirurgia, em tempos modernos, é outra coisa. Só faltou ser ao vivo… Bom demais. Estamos felizes!!! Boa recuperação, irmão Cláudio.
Isabela: Nossa equipe de reportagem é eficiente, hein Luminha?
Lurdinha: Parabéns, Cláudio. Novinho em folha.
Luma: a pedido do meu paciente, mar lindo… Não pude recusar.
Cláudio: Obrigado a todos pelo apoio. Estou muito bem, graças a Deus. Só que, hoje, tenho que dormir em uma posição só, e tomando soro.
Marquinho (brincando): Enquanto isto, eu bebendo cerveja. Muita saúde, meu compadre.
Abel: Deve fazer muito bem, receber apoio da família e dos amigos numa hora dessas, hein Cláudio? Parabéns.
16/04/2016
Susto.
Luma: Meu avô passou muito mal, pouco antes de receber alta. Alguém tem algum conhecido aqui dentro do hospital, que possa ajudar? Nessas horas, influência é muito importante. A alta está suspensa. Vai fazer alguns exames para saber o que aconteceu.
Cláudio Jr: meu Deus, o que houve?
Luma; Ainda não sabemos o que aconteceu. Agora está mais calmo. A febre passou. Vai descer para fazer uma tomografia. Já coletou sangue para hemograma.
Eline: Febre? Então não é alergia. Tem que pesquisar mesmo. Ele está no lugar certo Conversem com o médico que fez a cirurgia. Pode ser alguma reação. O resultado do hemograma também dará ideia do que pode ser.
A família toda se aperreia. Todo mundo quer saber o que houve.
Cláudio está fazendo uma tomografia computadorizada. Não se sabe ainda o resultado. O quadro clínico é estável.
– Estou aguardando o médico para me dar alta.
– Fico no aguardo de sua informação.
– Estou muito bem, só esperando a alta.

Compartilhar

6 COMENTÁRIOS

  1. Cara, que batalha! Parabéns tio pelo sucesso. Deu certo. Toda família envolvida. Toda família em oração, em intenção. Que bom que deu tudo certo. Esse é meu comendador!

  2. Oi Abel,
    O trabalho está digno de elogios, principalmente agora, com a contribuição do Márcio que postou fotos relacionadas, ficou show!!!!!

  3. Tio, tudo isso que aconteceu serviu para aproximar ainda mais a sua família.
    Todos nós também estivemos torcendo, mesmo de longe.
    Parabéns pela sua luta!!!

  4. Caro compadre Cláudio, você já havia me contado, mas lendo agora os detalhes, foi de arrepiar! Olhe, uma coisa a gente não pode ter dúvidas: não somos nada! De repente, não mais do que de repente, a gente pode passar por algo como você passou! E olhe que você, graças a Deus tem recursos, amizades, bons relacionamentos, etc! Imagine “o povo”! Acredito na força da fé e na ajuda divina! Deus e Nossa Senhora Aparecida sempre esteve a seu lado! Fique com eles! Um forte abraço . José Amâncio Neto

  5. Obrigado a todos pelo apoio e solidariedade durante a minha via-crúcis e ao meu compadre Amâncio que diretamente de Salvador-Ba. que sempre me telefonava e/ou procurava sempre saber do meu estado de saúde e postou o comentário acima! realmente foi um momento muito difícil para mim e cada vez que releio esse trabalho tão bem elaborado pelo Abel e melhorado pelo Marcio Rogério (Marcinho) não resisto e choro de novo!a vida continua e já estou em franca recuperação, hoje (21/05) já dirigi e fiz compras no supermercado (sozinho), pouco a pouco a vida está voltando ao normal e se Deus quiser em breve vamos comemorar, aguardem!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

*