2016 – 11º livro – Correspopndentes de Guerra

2
624

Autores: André Liohn e Diogo Schelp.
Correspondentes de Guerra
“Os perigos da profissão que se tornou alvo de terroristas e exércitos”
Os autores são brasileiros e trabalham em jornais e revistas do conhecimento do público. Significa dizer que a obra é superatual.
O correspondente de guerra quer estar naquele exato lugar de onde muitos estão fugindo. Entretanto, nunca foi tão perigoso buscar notícia em meio a um conflito quanto neste início de século. O que faz alguém se enfiar em uma guerra, consciente dos riscos envolvidos, apenas para contar uma história? Como a internet e os celulares mudaram a maneira que os acontecimentos nos rincões impenetráveis e conflagrados do planeta chegam ao grande público? O jornalista Diogo Schelp e o experiente fotógrafo de guerra André Liohn se reuniram para responder a essas perguntas em um livro cheio de revelações, histórias emocionantes e fotos de impacto. Em formato especial, o livro possui um caderno 4 cores com dezenas de fotos impactantes.
São registros interessantes sobre a atuação dos profissionais do gênero. Usam máquinas fotográficas e outros apetrechos que podem ser confundidos com inimigos e ensejar reação mortal. Tais profissionais são dotados de uma coragem descomunal. Enfrentam toda sorte de perigo e se realizam com o resultado de seu trabalho. Deixam familiares para trás; enfrentam muitas adversidades e gostam do que fazem.
Muitas vezes eles têm a necessidade de utilizar véu ou burcas nas regiões em conflito para não chamar a atenção dos inimigos. Até os pequenos gestos, como o olhar, podem denunciar um estrangeiro. Os hotéis onde eles se hospedam podem se transformar em alvos de terroristas. Inúmeros são os exemplos. Jornalistas são sequestrados e viram fonte de renda pelo resgate. Pior: muitas vezes são sacrificados para impor domínio e medo ao adversário maior.
É um livro palpitante e cheio de emoções. Gostei muito.
Maceió, 20 de abril de 2016.
Abel de Oliveira Magalhães.

Compartilhar

2 COMENTÁRIOS

  1. Abel,
    Seu relato sobre a obra me deixou curioso é querendo ler, inclusive por tratar de um motivo completamente adverso e distante de nossa atualidade .
    Abraço
    Fernando

  2. Gostei, Fernando, do seu comentário. Foi muito bom despertar essa curiosidade em você. O livro está ao seu alcance. É só lê-lo. Grande abraço.

DEIXE UMA RESPOSTA

*