2016 – 1º livro – História do Futuro

2
751

2016 – 1º livro
História do Futuro
Autora: Míriam Leitão
Páginas: 496
“História do Futuro é um grandioso livro de reportagem em que a jornalista Míriam Leitão mapeia o território do que está por vir com base em entrevistas, viagens, análises de dados e depoimentos de especialistas, depois de três anos de pesquisas. Ela aponta tendências que não podem ser ignoradas em áreas como meio ambiente e clima, demografia, educação, economia, política, saúde, energia, agricultura, tecnologia, cidades e mundo. E adianta que o futuro será implacável para os países que não se prepararem para ele. Leitura obrigatória para quem deseja conhecer em profundidade as perspectivas para o país. Em linguagem acessível, a autora apresenta o resultado de suas extensas investigações sobre o que está por vir, alternando dados com histórias de interesse humano que ilustram as tendências para o futuro”- apresentação da editora.
A imagem vinculada à Economia surpreende abordando o meio ambiente e suas consequências. Fez profundas pesquisas para desenvolver o tema, destacando as riquezas do Brasil e a necessidade dos governantes em prestigiarem a causa, sob pena de prejudicarem o objetivo. Sua abordagem é suave e motivadora.
Falando sobre biodiversidade, o livro informa que existem no mundo um bilhão de hectares de florestas tropicais. Metade é na Amazônia; 35% no Brasil. O restante é na Bolívia, Colômbia, Venezuela, Peru, Guianas e Suriname (15%).
É impressionante o nível de crime ambiental que acontece na região com o descaso do governo.
O livro avança sobre os vários biomas que o Brasil tem e realça a sua importância. Mostra as suas características e a necessidade de conservação, bem como a nossa dependência deles e os riscos a que estão submetidos. Existem 400 ilhas na Amazônia brasileira – são chamadas Anavilhanas.
Temos mais de 200 tribos indígenas. Por conta disto, temos mais de 200 línguas. No aspecto demográfico, o país vai ter menos 10 milhões de crianças em 2050, na faixa etária de 0 a 4 anos em relação ao censo de 2010. Nas próximas décadas, os brasileiros vão viver mais e a população vai envelhecer. O país precisa se preparar para as mudanças que afetarão todos os aspectos da nossa vida. O processo demográfico será um desafio gigante. Nas referências sobre estilo de vida estudado pela autora, destaque para o caso de uma senhora de 93 anos de idade de nome Aída Mello de Azevedo, imperdível.
Os caminhos e tropeços da educação – São inúmeros os casos de pessoas simples que se dedicaram aos estudos no Brasil e conseguiram superar as barreiras das dificuldades enfrentadas. Por isto foram bem-sucedidas. A autora começou a escrever o livro numa época em que havia otimismo em todo o país e termina quando estamos em momentos de pessimismo.
A autora analisa o escândalo da Petrobras, BNDES e demais empresas envolvidas, mostrando o prejuízo imenso para o país e as distorções que envolvem os citados segmentos. Analisa as consequências da abundância de créditos que inundou o país. Mostra o risco da perda da moeda com a desastrosa administração do segmento. Mostra os procedimentos adequados para as pessoas pouparem e assim salvaguardar o valor de seu dinheiro, principalmente os jovens. Da mesma forma, analisa os bastidores da Previdência oficial e privada, em face dos celetistas e estatutários após a Constituição de 1988. Mostra as consequências da política desorganizada no INSS e na Previdência. Diz que o déficit dessas instituições em 2014 foi de R$ 56,7 bilhões e R$ 66,6 bilhões, respectivamente. Mostra o avanço da tecnologia e os seus efeitos na população mundial. Analisa o inchaço que continuará acontecendo com a população nos grandes centros urbanos e suas consequências. No meio ambiente, mostra os problemas com a necessidade de reciclagem de lixo; os lixões; as enchentes; a elevação do nível dos mares e o risco de inundações nas cidades litorâneas; e diz: “o custo de preparação é infinitamente menor do que o custo de recuperação depois do desastre”. Cita o caso do Katrina, em Nova Orleans, nos EUA.
Focaliza a política econômica mundial; analisa a exportação prejudicial de comodities e a importação de manufaturados. Mostra os erros de se tomar decisões por razões ideológicas, um hábito comum ao Brasil. Exemplo: o acordo para a construção da refinaria Abreu e Lima em Pernambuco com a Venezuela que, além de não colocar um centavo na obra, ela ainda virou um grande escândalo de corrupção.
Sobre o racismo faz uma abordagem brilhante, com exemplos tocantes.
Destaque para o equilíbrio da autora nas suas críticas formuladas na obra. Diz ela: “O Brasil tem erros trágicos e acertos animadores. O país decidiu que os seus erros serão solucionados através da negociação em debate democraticamente. É mais trabalhoso, mas é o único modo aceitável”.
São desafios enormes para os governantes. São reflexões de alto valor. Seus filhos Wladmir e Matheus e os netos foram a razão maior de escrever o livro.
A autora é uma jornalista das mais premiadas do país, tendo conquistado o prêmio Jabuti de Não Ficção em 2012. Já recebeu os prêmios Jornalismo para Tolerância, Jornalismo Econômico, concedido pela Ordem dos Economistas do Brasil, e o Prêmio Esso de Informação Científica, Tecnológica ou Ambiental.
Best-seller Veja
Maceió, 18 de janeiro de 2016.
Abel de Oliveira Magalhães.

Compartilhar

2 COMENTÁRIOS

  1. Realmente! Quando a gente se identifica com um escritor ou uma obra bem escrita, fica fácil demonstrar ou elaborar uma sinopse vibrante. A Miriam Leitão conseguiu isso de você. Parabéns , também li esse livro, há cerca de dois meses e posso testemunhar cem por cento seu depoimento, entretanto, nossa realidade atual com todas as mazelas e incompetências, jamais vistas, em governo algum nesse país, promovem profunda tristeza e desesperança a todos brasileiros de boa fé, contrastando de forma intensa com a motivadora visão da Miriam sobre o nosso promissor futuro, que talvez só será possível para nossos netos… E olhe lá, se tivermos a competência de mudar radicalmente o que está aí. Há esperança que consigamos, mas a verdade, dura, nua e crua, da realidade impõe fortíssima dúvida …

DEIXE UMA RESPOSTA

*